]

Vocações (Dom Moacir)

No mês de agosto somos convidados a refletir sobre as diversas vocações na Igreja. Somos convidados a olhar nossa própria vocação e avaliar como está sendo nossa resposta ao chamado do Senhor.  

Somos chamados a ajudar  os  jovens  a  chegar  a  uma “opção   vocacional  específica:   o    sacerdócio,  a  vida  consagrada ou o matrimônio” (DAp, 446c).

Aqui recordo o que disse Bento XVI na mensagem para o 50º Dia Mundial de Oração pelas Vocações: “As vocações sacerdotais e religiosas nascem da experiência do encontro pessoal com Cristo, do diálogo sincero e familiar com Ele, para entrar na sua vontade. 

Por isso, é necessário crescer na experiência de fé, entendida como profunda relação com Jesus, como escuta interior da sua voz que ressoa dentro de nós. 

Este itinerário, que torna uma pessoa capaz de acolher o chamado de Deus, é possível no âmbito de comunidades cristãs que vivem uma intensa atmosfera de fé, um generoso testemunho de adesão ao Evangelho, uma paixão missionária que induza a pessoa à doação total de si mesma pelo Reino de Deus, alimentada pela recepção dos sacramentos, especialmente a Eucaristia, e por uma fervorosa vida de oração. 

Esta ‘deve, por um lado, ser muito pessoal, um confronto do meu eu com Deus, com o Deus vivo; mas, por outro, deve ser incessantemente guiada e iluminada pelas grandes orações da Igreja e dos santos, pela oração litúrgica, na qual o Senhor nos ensina continuamente a rezar de modo justo’ (Enc. Spe salvi, 34)”. 

A maioria das pessoas é chamada para a vocação matrimonial, à vida familiar. Então é preciso afirmar que “a família cristã está fundada no sacramento do matrimônio entre um homem e uma mulher, sinal do amor de Deus pela humanidade e da entrega de Cristo por sua esposa, a Igreja” (DAp, 433). 

Com os Bispos na Conferência de Aparecida, professamos: “cremos que a família é imagem de Deus que em seu mistério mais íntimo não é uma solidão, mas uma família. 

Na comunhão de amor das três Pessoas divinas, nossas famílias têm sua origem, seu modelo, sua motivação mais bela e seu último destino” (DAp, 434).

Que a celebração do mês vocacional ajude a cada um de nós a avançarmos para águas mais profundas na vivência da própria vocação.

Dom Moacir Silva
Arcebispo Metropolitano