]

Dom Moacir Silva

Nosso Arcebispo 
 

 
O Jornal A Cidade, edição de domingo, 28 de abril de 2013, publicou entrevista com dom Moacir Silva, nomeado arcebispo de Ribeirão Preto em 24 de abril. 
 
Para ler a entrevista acesse o link: Entrevista com dom Moacir
 

 
No dia 24 de abril de 2013, semana em que estamos rezando ao Bom Pastor pelas vocações sacerdotais e religiosas é com imensa alegria que nossa Arquidiocese recebeu a nomeação do nosso 8º. Arcebispo Metropolitano, o Exmo. e Revmo. Dom Moacir Silva, conforme comunicado da nunciatura apostólica: "NOMINA DELL’ARCIVESCOVO METROPOLITA DI RIBEIRÃO PRETO (BRASILE). Il Santo Padre ha nominato Arcivescovo Metropolita di Ribeirão Preto (Brasile) S.E. Mons. Moacir Silva, trasferendolo dalla diocesi di São José dos Campos".

 
I - Biografia
 
Moacir Silva é sacerdote e arcebispo da Arquidiocese de Ribeirão Preto.
 
Natural de São José dos Campos, cursou o ensino fundamental na Escola do Bom Retiro. O ensino médio fez no Seminário Diocesano Santo Antônio, em Taubaté. Quando jovem trabalhou na fábrica da General Motors em São José dos Campos, quando resolveu por ingressar no seminário e se tornar padre. Ingressou no seminário no dia 6 de fevereiro de 1976. Fez o Curso Filosófico, entre 1980 e 1982, no Seminário Bom Jesus, em Aparecida e o Curso Teológico, entre 1983 e 1986, no Instituto Teológico Sagrado Coração de Jesus, em Taubaté. Foi ordenado sacerdote em 6 de dezembro de 1986, sendo o sexto padre a ser ordenado na Diocese. Em 1999-2000 fez pós-graduação em Direito Canônico pelo Instituto de Direito Canônico “Pe. Dr. Giuseppe Benito Pegoraro”, de São Paulo, filiado a Pontifícia Universitas Lateranense de Roma e Mestrado em Direito Canônico pela Lateranense, em 24 de maio de 2002.
 
Em 20 de outubro de 2004 foi escolhido como bispo da diocese vacante da qual governava como administrador diocesano. Em 11 de dezembro de 2004 foi sagrado bispo, pelas mãos de Dom Nelson Westrupp e pelos co-sagrantes Dom Raymundo Damasceno Assis e Dom Dimas Lara Barbosa.
 
Em 24 de abril de 2013, foi nomeado Arcebispo de Ribeirão Preto, pelo Papa Francisco.

2. Vida Sacerdotal
 
Foi Vigário paroquial da Paróquia Catedral de São Dimas entre 1987-1988, em São José dos Campos. Pároco da Paróquia Coração de Jesus entre 1989-1992, em São José dos Campos. Pároco da Paróquia da Catedral de São Dimas, de 1993 até dezembro de 2004. Vigário Geral da Diocese de São José dos Campos de 27 de dezembro de 1992 a 1º de outubro de 2003. Juiz do Tribunal Interdiocesano de Aparecida de 1995 até novembro de 2004. Membro da Equipe de Formação dos Seminaristas da Teologia de 1987 até dezembro de 2004. Vice-reitor da Residência Teológica Pe. Rodolfo de 1999 até dezembro de 2004. Foi nomeado Monsenhor e Administrador Diocesano da Diocese de São José dos Campos de 1º de Dezembro de 2003 até dezembro de 2004, quando foi escolhido para ser o novo bispo da Diocese, que estava vacante até o momento.

3. Funções atuais
 
- Vice-presidente do Regional Sul 1 - CNBB
- Membro da Comissão Episcopal para os Tribunais Eclesiásticos de Segunda Instância
 

4. Significado do Brasão


As insígnias episcopais são indicadas pelo chapéu prelatício com forro violáceo e três fileiras borlas verdes e pela cruz colocada por detrás do brasão. O escudo, de fundo azul, lembra o campo da ação pastoral do Bispo. A cruz dourada, que atravessa o escudo de alto a baixo, indica o Mistério Pascal de Cristo e, por isso, recorda a missão santificadora do Bispo, em favor do povo de Deus. O báculo, partindo da videira, está a indicar que o ministério pastoral do Bispo deve ser conseqüência do seu “permanecer em Cristo”. “O Bispo é enviado, em nome de Cristo, como pastor para cuidar duma determinada porção do Povo de Deus. Por meio do Evangelho e da Eucaristia, deve fazê-la crescer como realidade de comunhão no Espírito Santo” (Pastores Gregis,43a). O livro lembra a missão de ensinar. “Se o dever de anunciar o Evangelho é próprio de toda a Igreja e de cada um dos seus filhos, pertence a título especial aos Bispos, que no dia da sagrada Ordenação, pela qual ficam inseridos na sucessão apostólica, assumem como compromisso principal o múnus de pregar o Evangelho, e pregá-lo com do Espírito chamando os homens à fé ou confirmando-os na fé viva” (Pastores Gregis,26b). O M lembra Maria na vida e na missão do Bispo, pois ele “encontrará na santa Mãe de Deus uma mestra na escuta e cumprimento solícito da Palavra de Deus, no discipulado file ao único Mestre, na firmeza da fé, na esperança jubilosa e na ardente caridade” (Pastores Gregis, 14b).